9 de mar de 2011

Starter Pack – Nintendo DS



A idéia por trás da seção Starter Pack é mostrar uma seleção de jogos e acessórios que nós, editores do blog, consideramos obrigatória para você que está entrando na nova geração (que já tem 6 anos, ouch!), junto de uma pequena explicação dos motivos pelos quais o jogo merece figurar na lista. Observação pertinente: A lista não se restringe a títulos exclusivos do console. Vamos lá:
New Super Mario Bros - O clássico Mario nunca sai de moda, ainda mais quando volta ao estilo de jogo 2d. Nessa versão da série, mais uma vez, Bowser roubou a princesa Peach e cabe ao Mario sair correndo atrás dela mundo por mundo. Pelo menos ele não fica dando de cara com a frase “Your Princess Is In Another Castle” a cada filho do Kopa que ele manda pro lixo. Pontos a mais para os ítens novos que Mario pode usar (com uma pequena demonstração do Mario gigante na primeira fase). Gráficos e sons muito bons, do jeito que deviam ser os jogos de Nintendo DS.
Castlevania Dawn of Sorrow – Castlevania Dawn of Sorrow é a continuação direta do excelente Castlevania Aria of Sorrow (que saiu para GBA). Nele, você joga com Soma Cruz um ano após os eventos do jogo anterior e deve enfrentar um culto que se reuniu para caçá-lo, na tentativa de ressucitar Drácula. A jogabilidade do jogo herdou várias características do jogo anterior, com a adição dos selos de magia feitos com a Stylus na touchscreen. Os gráficos foram melhorados (seguindo o estilo Castlevania 2d do PlayStation) e há uma porção de extras que fazem o jogo durar bem mais do que uma campanha.
Ace Attorney (a série toda) – A série Ace Attorney nasceu no GBA e só foi lançada no Japão, entre 2001 e 2004. A partir de 2005, a Capcom resolveu fazer um port dos jogos para o Nintendo DS e lançá-los nos Estados Unidos, com grande sucesso. Vai parecer idiota eu dizer que o jogo é um point and click de tribunal, onde você tem que resolver casos procurando evidências e interrogando pessoas. Só jogando para entender como os personagens são carismáticos, as histórias bem montadas e a trilha sonora bem executada. Só cuidado, pois esse é daqueles jogos que as horas viram segundos na frente.
Final Fantasy IV – Final Fantasy IV é a quarta iteração (duh) da série Final Fantasy (double duh). Nela, você joga com Cecil, um Cavaleiro Negro que se arrepende de seus pecados e luta para que os Cristais de Luz não sejam reunidos por Golbez. Esse jogo foi lançado em 1991 para o Super Nes e ainda hoje é um dos melhores capítulos da série, seja pelo carisma dos personagens, seja pela história bem montada, ou ainda pela trilha sonora. Refeito totalmente em 3d aproveitando a “potência” do DS, o jogo ainda conta com um ótimo trabalho de dublagem (a voz do Kain, por exemplo, é muito fodona, e a do Cecil é muito wuss, que também combina com ele). Mesmo que você não goste de RPGs, vale a tentativa.
Chrono Trigger – Chrono Trigger é considerado por muitos o melhor RPG da história. Criado pelo Dream Team da Square, composto por Hinorubu Sakaguchi (criador da série Final Fantasy), o designer Yuji Horii, o cara que só sabe desenhar bonecos do Dragon Ball, Akira Toryiama e os compositores Yasunori Mitsuda e Nobuo Uematsu. Tanto nome e pouca explicação sobre o jogo, né? Sério, se você nunca ouviu falar de Chrono Trigger, morra, você merece, ou vá jogar para se redimir, ainda mais que a versão de DS vem com vários extras e todas as cenas de anime do Port porco que saiu para PlayStation.
Osu! Tatakae! Ouendan – Osu! é um jogo musical com uma história meio bizarra. Pessoas têm problemas e você controla um grupo de “cheerleaders” que devem dançar para elas para que elas consigam vencer tarefas que estão tentando realizar. Para isso, você deve apertar os botões na tela com a stylus no rítimo certo. O jogo tem duas versões em japonês e uma em inglês, Elite Beat Agents. Todas são recomendadas.
Meteos – Meteos é um puzzle bastante divertido para o console. Faz 4 ou 5 anos que eu não jogo. Recomendo, mas tô com preguiça de pegar pra ver como é.
N+ – N+ é um jogo de plataforma onde você controla ninjas que devem ir dum local ao outro do mapa, passando por obstáculos, como a maioria dos jogos de plataforma comuns. Não é nada de super grandioso, mas o estilo e a variedade de fases são o que realmente contam os pontos aqui.
Película Hori - Mesmo o DS sendo no formato “ostra”, é melhor comprar um par de películas para não destruir a tela, ainda mais se tiver sujeira na touchscreen e você passar a stylus por cima dela.
Estojo – É bom ter um estojinho para carregar o DS por aí em vez de simplesmente tocá-lo dentro da mochila.
Fonte: kowabanga.com

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Top Vídeo